terça-feira, 7 de julho de 2009

Terceira nota sobre os blogs

Este texto encontra-se agora em Para ser escritor, Editora Leya, 2010.

12 comentários:

  1. O livro é insubstituível ... Sempre será !!

    Bela postagem !!

    ResponderExcluir
  2. Uma gaveta com a chave espalhada pelo mundo.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo8/7/09 07:06

    Mestre, dai pergunto: é escritor aquele que tiver publicado em livro? Faz o livro publicado o escritor? Parece-me que o meio não deverá definir a categoria do autor. A internet é incipiente, vasta e repleta de elementos que podem ou não fazer algum sentido. Mas é no exercício do texto que deverá sobresair o tal dom inerente ao verdadeiro escritor. Há tantos livros descartáveis, soltos, vastos, esquecidos... G.

    ResponderExcluir
  4. Também acho que o livro não será substituído, pelo menos, tão cedo. Mas quanto ao fato de que o escritor, para ser reconhecido como tal, ou se apresentar assim, deva ter livro publicado, fico em dúvida. Vou refletir sobre quem pode ser visto como um escritor. Quem é escritor? Está lá no dicionário que escritor é 1 O que escreve. 2 Autor de composições de qualquer gênero literário. Mas não me parece suficiente a definição. A questão é: os escritos [literários] têm que ser publicados? E na forma de livro? Revista? Jornal? Só em papel ou vale eletronicamente?

    ResponderExcluir
  5. Concordo com a importância dos blogs até então, mesmo que não substituam o livro. Também penso neles como gavetas, por isso fiz um para armazenar meus embriões de textos que podem se tornar bons.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Falar em substituição é exagero. Como o Kiefer postou uma nova mídia nunca exclui a anterior. Nunca é uma questão de substituição, mas de agregação. Atualmente temos teatro, livro, cinema, TV, rádio, Internet, TV digital, TV na Internet ... Também falar que "eu prefiro o livro porque é mais fácil de ler", "nunca deixarei de comprar livros", também é relativo, além do gosto pessoal (claro que a grande maioria não gosta de ler no PC) não podemos esquecer desta grande iniciativa da Amazon, o Kindle (www.amazon.com/Kindle). Inclusive permite que o autor de forma independente publique seu livro no formato digital para o Kindle sem o intermédio de editoras. O blog também pode ser usado para publicar em bits ao invés de átomos. Se será bom ou ruim depende do escrito, afinal a obra depende dele. Lembrando que o Kindle permite ler blogs. Kiefer, excelente ponto para discussão. Abraço

    ResponderExcluir
  7. Ah lembrei de mais uma coisa, não resisti e fui obrigado a postar mais este complemento. Olhem esta matéria do NY Times - http://www.nytimes.com/2009/06/15/business/media/15kindle.html. Já tem escritores dando autógrafo no Kindle. Abraço

    ResponderExcluir
  8. Diogo Rimoli
    Excelente, Charles. Ótima visão do blog, das obras ali publicasdas. Sem conotação pejorativa, com um viés interpretativo muito interessante. Ao ler tua narrativa, fiquei com a impressão gostosa da mídia "blog". Uma espécie de limbo literário. Grande Abraço

    ResponderExcluir
  9. A tecnologia não acabou com a doce prazer de folhear um bom livro. Novas engenhocas, velhas manias.
    Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
  10. discussão pra lá de pertinente. atualíssima, né.
    e tua abordagem tão integrada, que não exclui, agrega, acrescenta.
    mesmo assim o tema é prato pra crise de identidade. :-)
    o blog é quem sabe uma possibilidade de aprender fazendo às vistas de sabe lá quem...
    construção colaborativa...
    eu uma fã da tua literatura.
    parabéns.

    ResponderExcluir
  11. Charles,

    Acho que escritor é quem escreve regularmente. Mas aí alguém dirá: "Ah, mas se não têm livros publicados e escreve regularmente, deve ser ruim, portanto não pode ser considerado escritor". Será que é isso? Pois bem, o sujeito pode pagar e fazer seu próprio livro! Há centenas de editoras dispostas, com direito à noite de autógrafos e tudo o mais, basta desembolsar de 5 a 15 mil reais. E aí, vale? O cara tem grana e banca, ué! Pode ser péssimo, não pode? Permanece a pergunta: é escritor, este aí?

    Eu, por exemplo, escrevo no meu blogue, mas também sou colunista em alguns jornais, revistas e programas de rádio. Sou escritor ou não? Não tenho livro publicado, veja bem!

    Acho diferente. Acho que, dos sujeitos que escrevem regularmente, que portanto (na minha opinião) são escritores, há os bons, os medianos, os fraquinhos e os medíocres, como em qualquer ofício ou profissão.

    Um advogado muito ruim deixa de ser um advogado? Ou um vendedor que de tão ruim não consegue vender, deixa de ser vendedor?

    Abraços, Charles!
    Cesar Cruz

    ResponderExcluir